728x90 AdSpace

Breaking

[recent][ticker2]
sexta-feira, 2 de setembro de 2011

CASO PAULO COELHO: Acusado de executar advogado é preso após 18 anos por policiais de Roraima

Policiais Civis de Roraima que integram a Força Nacional prenderam por volta das 17h50 de ontem, 1º, na cidade de Marabá, no Pará, o pistoleiro José Ricardo Cardoso, o "Ouriçado" acusado e pronunciado a júri popular pela execução do Advogado e conselheiro Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Paulo Coelho Pereira.

De acordo com as investigações à época dos fatos, o advogado foi morto a tiros quando chegava a sua casa, localizada no Centro de Boa Vista, na madrugada do dia 20 de fevereiro de 1993.

As investigações dão conta que a motivação do crime foi política. Na época José Ricardo Cardoso, foi o pistoleiro contratado para matar Paulo Coelho, em razão de um discurso inflamado que fez na sua posse como conselheiro federal da OAB.

 Disse ainda em discurso que daria prosseguimento a todos os processos em trâmite na Justiça, inclusive à ação popular contra atos de nomeação dos desembargadores, principalmente contra Luiz Gonzaga Batista Rodrigues, o Gonzagão, nomeado irregularmente e ainda prometeu lutar contra as arbitrariedades e crimes cometidos em Roraima.

José Ricardo Cardoso, o "Ouriçado", integrou a quadrilha comandada pelos irmãos "Batista", filhos do desembargador, condenados por planejarem a morte do Conselheiro Federal da OAB.

Segundo as investigações foi "ouriçado que efetuou os disparos contra o advogado Paulo Coelho, na porta da sua residência, logo após ter tomado posse como Conselheiro Federal da OAB.

Foram condenados como mandantes do crime os irmãos "Batista": Luiz Gonzaga Batista Júnior, ou 'Júnior' como é conhecido e Luiz Antônio. Contudo, José Ricardo Cardoso, após cometer o crime fugiu de Roraima passando a morar no Estado do Pará, onde foi localizado e preso.

Os autos do processo apontam ainda que para executar o crime "Ouriçado" foi levado até as proximidades da casa da vítima numa caminhoneta Volkswagen Parati, verde-metálica, sem placas, a época pertencente ao Tribunal de Justiça de Roraima, e de uso restrito do então desembargador Luiz Gonzaga Batista Rodrigues, a qual era conduzida por Antônio Cosme da Silva Filho, o 'Sitônio', e, ocupada também por Agapto Lauro de Almeida e Braz Gondin Lopes de Barros Júnior, a qual depois do crime foi utilizada para dar fuga ao autor e seus comparsas. 

Consta também que pela prática do crime contra o Advogado Paulo Coelho, José Ricardo Cardoso "Ouriçado" recebeu o valor de quinze milhões de cruzeiros como parte do pagamento pelo serviço, que foi pago por intermédio de André Augusto de Oliveira Cardoso, amigo que dividia uma residência com Luiz Antônio Batista.

Segundo as diligências, Paulo Coelho, foi morto com quatro tiros a queima-roupa dos quais três o atingiram na cabeça. Na época foram realizadas várias investigações visando prender "Ouriçado", porém, ele conseguiu fugir passando pelo Estado do Amazonas, foi para o Ceará e há oito anos mudou-se para o Estado do Pará, onde a Equipe da Força Nacional composta por policiais civis roraimenses lograram êxito em sua prisão.

Depois de preso José Ricardo Cardoso, encontra-se recolhido no Presídio Regional Paraense, aguardando os procedimentos cabíveis para a realização de seu recambiamento.

MARABÁ – O mandado de prisão expedido pelo Tribunal do Júri do Estado de Roraima, em desfavor de José Ricardo Cardoso, o Ouriçado foi cumprido pela equipe de Policiais Civis Roraimenses que compõem a Polícia Judiciária da Força Nacional, do Ministério da Justiça (MJ), coordenada pelo delegado de Polícia Fernando Bruno de Souza e composta pelos Escrivães Eraldo Freitas de Melo, Amauri de Oliveira Carvalho e os Agentes Alderico Ferreira Mota Filho, Edson Volpato Dutra (SC) e José Ferreira Severiano Lima (AL).

TRABALHO - O Delegado Fernando Bruno de Souza informa que o trabalho dos Policiais Civis de Roraima desenvolve-se com excelência nas suas atividades, servindo de referência dentro do Departamento da Força Nacional de Segurança pública.

"Este trabalho não seria possível sem o apoio integral e a disponibilização dos servidores pelo delegado Geral de Polícia Civil, Fernando Olegário. Inclusive o Estado de Roraima recebe materiais da SENASP como viaturas, armamentos e cursos em função da permanência dos servidores na Força Nacional de Segurança Pública. Esta prisão efetuada agora é exemplo da importância deste trabalho pela Força Nacional", disse o delegado Fernando Bruno

MPE - O promotor de Justiça Carlos Paixão disse que a prisão de José Ricardo Cardoso, é de muita importância, uma vez que faltava apenas ele ser julgado. O crime de homicídio, segundo o Código de Processo Penal prescreve com 20 anos da sua data ou de sua pronúncia. Em fevereiro deste ano, completaram 18 anos da morte do advogado Paulo Coelho, não tendo prescrito, seja pela data do crime ou mesmo da data em que os réus foram pronunciados a júri popular.

CASO PAULO COELHO: Acusado de executar advogado é preso após 18 anos por policiais de Roraima Reviewed by Luiz Valério on setembro 02, 2011 Rating: 5 Policiais Civis de Roraima que integram a Força Nacional prenderam por volta das 17h50 de ontem, 1º, na cidade de Marabá, no Pará, o pistole...

Reações:

[][carousel1]

Nenhum comentário:

Obrigado por comentar aqui no blog
Os comentários neste blog são livres, sem moderação.
Aviso, no entanto, que ofensas, palavrões ou quaisquer expressões racistas ou discriminatórias serão apagadas sumariamente.
Para quem comentar com responsabilidade, este espaço estará sempre aberto. Críticas e sugestões para o autor serão bem-vindas.

OBS: Os comentários dos leitores não refletem necessariamente a opinião do autor do blog.