Pular para o conteúdo principal

Faltas dos deputados estaduais às sessões da Assembleia deveriam ser consideradas abandono de emprego


Hoje, mais uma vez, projetos deixaram de ser votados na Assembleia Legislativa por falta de quórum. O painel eletrônico do plenário assinalava a presença de 15 deputados, mas apenas 11 estava efetivamente presentes. Mesmo assim, não foi possível discutir nenhum projeto, pois o quórum mínimo para deliberação de matérias é de 13 deputados.

A deputada Aurelina Medeiros (PSDB), vice-presidente da Casa, diz que não existe justificativa para a ausência dos parlamentares às sessões. Ela diz ser preciso cumprir o regimento interno da Casa, que prevê punição para os faltosos.

“O regimento interno da Assembleia prevê que cada deputado deve ter 75% de presença nas sessões por ano. Quem não estiver cumprindo isso, deve ser punido de acordo com as penas previstas no regimento. Ninguém é aluno para estar sendo chamado a atenção por causa de faltas”, afirmou.

Aurelina Medeiros diz não concordar com a decisão do presidente da Assembleia, deputado Chico Guerra (PROS), que optou pelo de um percentual do salário dos faltosos para cada ausência nas sessões. “Isso é uma coisa que eu considero até infantil”, diz ela.
OPINIÃO DO EDITOR
Eu confesso que estou com uma dúvida atroz: afinal, a maioria dos parlamentares resolveu jogar a toalha e desistir da atividade legislativa? Esses deputados resolveram fazer uma renúncia branca coletiva e esqueceram de avisar à população? É o que está parecendo.
A falta dos deputados às sessões, da forma como vem ocorrendo, deveria ser considerada abandono de emprego. Porque se um trabalhador comum, que não faz parte do parlamento e, portanto, não tem privilégios, falta insistentemente ao trabalho, sem maiores explicações, tem a sua conduta considerada como abandono de emprego e o faltoso é sumariamente demitido pelo patrão. Assim também deveria ser para os espertos deputados estaduais. Afinal, o patrão dos deputados estaduais é o povo.
O pior é que alguns desses espertalhões assinam sua presença no livro e no painel da Casa e depois batem em retirada. Trata-se de uma atitude sem vergonha. Deveria ser quebra de decoro parlamentar, pois os deputados que agem dessa forma estão ludibriando aqueles que lhes confiaram o voto.
A ausência dos deputados às sessões da Assembleia Legislativa deveria ser considerada estelionato, pois eles recebem por uma mercadoria ou produto (uma boa atuação) e não entregam conforme a o prometido.
Esses deputados faltosos merecem a repugnância da população. Merecem cair no ocaso político. Merecem serem banidos da vida pública, pois não respeitam o compromisso assumido com o povo.

Comentários

Popular Posts

Haja espera no tabuleiro político do Crato

Muito se prometeu. Mas, nada de impactante no cenário político municipal neste final de semana. Três siglas se reuniram e, somente o PSD, trouxe alguma novidade para este pleito. Os primeiros a se reunirem foram os comunistas que vão deixar para o final do mês a decisão se terão chapa pura, se vão se coligar com o PT ou unir-se-ão ao candidato José Ailton Brasil, do PP.

O Partido dos Trabalhadores também procrastinou a decisão de como marcharão em outubro próximo. É mais uma sigla rachada e com característica de dubieadades. Transita entre apoiar José Ailton como combinaram na reunião do Palácio da Abolição, partir com candidatura própria ao lado do PC do B ou, até mesmo, apoiar a reeleição do prefeito Ronaldo Gomes de Matos, que calado acompanha o desenrolar dos acontecimentos.

Já o Partido Social Democrata, que também participou das duas reuniões com o governador e demais partidos, esteve reunido na noite de sábado, na sede do Poder Legislativo e, de goleada, descartou o apoio à cand…

Jucá contrata empresa de amigo com verba de gabinete

As denúncias contra o senador Romero Jucá não param de surgir.

Agora veio à tona a história acerca da contratação da empresa Norte Produções Ltda, sediada aqui em Boa Vista, para a criação de vídeos de prestação de contas do gabinete de Jucá.

Criada em 2006, a Norte Produções pertence – segundo os documentos publicados pelo UOL – ao publicitário Hemetério Pires Costa Júnior, que é o ex-marido da atual mulher de Jucá, Roselene Brito (a Rose)

Segundo o Portal UOL, o senador roraimense usou R$ 199 mil de sua cota parlamentar para pagar a empresa de publicidade de Hemetério Pires, que na matéria é tratado como “um amigo que trabalhou em seu gabinete”

Hemetério, um grande profissional, diga-se de passagem, foi nomeado por meio dos chamados atos secretos, atos administrativos realizados na gestão de José Sarney (PMDB-MA), como presidente do Senado, que não eram divulgados ao público.

As informações acerca dos pagamentos estão disponíveis no Portal da Transparência do Senado. O UOL diz que…

Índios decidem pela permanência de Pacaraima

A polêmica se arrasta por mais de duas décadas e somente agora, após assembleia geral que durou três dias (15, 16 e 17 de junho) na Comunidade Boca da Mata, mais de 800 índios decidiram pela permanência do município de Pacaraima, que faz divisa com a Venezuela e está na extensão territorial da Terra Indígena São Marcos, ao norte de Roraima, reconhecida e homologada desde 1991, pelo Governo Federal.

A decisão reforça o posicionamento do Governo do Estado em manter o município na Terra Indígena, considerando os quase mil estabelecimentos comerciais, estrutura institucional (Exército, universidade, bancos, Prefeitura, Câmara de Vereadores e órgãos públicos) e os mais de 10 mil moradores, conforme dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Só este ano, a governadora Suely Campos (PP) esteve duas vezes em Brasília para dialogar com o STF (Supremo Tribunal Federal), onde tramita desde 2010 a Ação Civil Ordinária 499-2, de autoria da Funai (Fundação Nacional do Índio),…